|

Você já viu aqui no OnSoftware que existem várias maneiras de passar ridículo no MSN e que é possível sim acabar com um relacionamento pelo computador.

Nos últimos anos, o Twitter virou um dos maiores fenômenos sociais da história da internet. Seja para contar alguma coisa que aconteceu, retwittar algo legal ou apenas seguir quem você gosta, os 140 caracteres vieram para ficar no mundo cibernético.

Entretanto, é preciso ter cuidado: estragar tudo no Twitter é mais fácil do que se imagina. Duvida?

1. Usar sua conta apenas para dar retweets

Retweets nada mais são do que encaminhar para seus seguidores mensagens de outras pessoas. Seria mais ou menos como usar o Messenger para copiar o que outros contatos dizem e colar em suas conversas privadas. É legal ter opinião, dizer o que se pensa. No Twitter também.

Retwittar alguma coisa quando a mensagem é relevante ou mencionar outra pessoa pelo conteúdo de qualidade também fazem parte do mundo do Twitter. Mas, lembre-se: retweets apenas repetem ideias! Usá-los sem moderação seria mais ou menos como enviar correntes de e-mail ou malditos powerpoints com apresentações de borboletas em extinção: o destino é apenas um, a lixeira.

2. Usar o Twitter como uma ponte entre outros serviços

Descobrir coisas interessantes  é uma das coisas mais legais da web, sem dúvida. Mas, imagine a situação: um novo programa para editar fotos, o último blog de culinária vietnamita ou aquela página que mostra como amarrar cordões de sapatos de mil maneiras diferentes...

Pode até ser legal, mas chega uma hora que cansa... Experimente revisar o seu histórico de mensagens e repare na quantidade de tweets publicados por aplicativos. A surpresa pode ser desagradável quando você perceber que quase nenhuma ideia é sua...

Para evitar que isto aconteça, limite o acesso de outros aplicativos à sua conta do Twitter. Desta maneira, você twitta apenas o conteúdo que realmente curte.

3. Encher o tweet de hashtags

No Twitter, os hashtags são palavras unidas, precedidas pelo símbolo de jogo da velha (#) e que servem para reforçar determinado assunto. Têm como principal objetivo, definir os temas mais relevantes ou que podem ser tendência.

Algumas hashtags são tão poderosas que ganham relevância mundial e já se pode dizer que mudaram o curso da história. Assim, antes de usar uma delas, tenha em mente que podem distorcer o sentido desta utilidade. Além disso, #atrapalham #a #leitura #e #podem #ser #incrivelmente #inúteis.

4. Twitar qualquer coisa que aconteça, literalmente

Se partirmos do princípio que o Twitter não tem filtros e você pode estar em contato com milhares de pessoas simultaneamente, pouco importa se o pelo do seu cachorro está cheirando mal ou aquela unha encravada dói à beça.

A tentação de se desafogar pelo Twitter é grande mas, se a sua vida não é a de uma estrela do rock ou de astronauta, deixe a rotina de lado.

Existe conteúdo mais legal espalhado pela rede e, se você vasculhar bem, nas suas ideias também.

5. Não saber a diferença entre uma menção e uma mensagem direta

Diferença entre quê? Tudo bem, essa é fácil de errar e não custa nada dar uma refrescada na memória. Uma menção ou reply é visível para todas as pessoas que seguem o seu perfil no Twitter. Uma mensagem direta é apenas entre pessoas que se seguem mutuamente e totalmente privada.

Situação clássica: você escreve algo pessoal e usa o "@", que é de menção pública no lugar do "D", que é a mensagem privada. Pronto, danou-se tudo. Eu mesmo, por exemplo, adoro retwittar - erroneamente - tudo o que a Araújo publica por pura falta de cuidado no uso das ferramentas. Cuidado!

6. Lembre que ao escrever alguma coisa, as pessoas lerão

Pode parecer óbvio, mas não é: existe muita, muita gente que lê o Twitter praticamente em tempo real e o dia inteiro. Então, ter cuidado com o que se escreve é fundamental. Não dá para esquecer que alguns episódios bastante sérios (e deprimentes) aconteceram ultimamente com pessoas que se descuidaram...

Aqui, existem duas soluções básicas. A primeira é revisar suas preferências de privacidade no Twitter. Dá, inclusive, para criar uma rede de contatos e só se comunicar com eles. E, claro, se você não quer que alguém especificamente leia o que você escreve, jamais use "@" na frente do nome de usuário desta pessoa.

7. Ignorar mas não aceitar que ignorem você

O Twitter é muito diferente dos programas de chat como o Messenger. Assim, não entre em depressão quando você mandar uma mensagem direta ao presidente dos Estados Unidos e não receber resposta. As coisas no Twitter funcionam assim: não espere resposta!

É simples: são milhares e milhares de pessoas interconectadas, você pode seguir muita gente, mas a recíproca pode não ser verdadeira. Tampouco é necessário correr para o psicólogo: logo, logo você acostuma.

8. Acreditar que a quantidade de following ou followers é importante

A lista de following indica quantas pessoas você segue no Twitter. Há gente que acredita piamente que seguir muita gente eleva sua popularidade automaticamente. Isso porque, de acordo com estas teorias sem pé, nem cabeça, “você tá no meio do Twitter, na borbulha...”. Nem precisa dizer que isso é balela e que, na verdade, você vai ter é muita dor de cabeça.

Com relação à lista de followers ou seguidores, as grandes contas do Twitter, como de grandes empresas ou celebridades, podem chegar a ter milhões de pessoas. Gente como Serginho Groisman, Kaká ou Marcelo Tas tem a quantidade de seguidores proporcional à fama que alcançam. Se não é o seu caso, ter uma boa quantidade de followers já é legal: demonstra que você publica conteúdo interessante.

E você, já estragou tudo no Twitter ou conhece alguém que sim?

Comentados

22/11/14
Seu avatar