avast! 2014: um olhar para o futuro dos antivírus

avast! 2014 chegou. É o produto mais recente de uma empresa que tem 25 anos no ramo dos antivírus. Analisamos as mudanças recentes e tentamos prever para onde está indo um dos programas mais famosos de todos os tempos.

O antivírus hoje: a luta pela sobrevivência

Nos últimos anos, a segurança da informação mudou muito para o usuário doméstico: os sistemas operacionais estão se tornando cada vez mais seguros e as pessoas passam mais tempo usando aplicativos da web. Os vírus tradicionais só afetam aqueles que utilizam sistemas desatualizados. É o caso dos países onde a pirataria de software é forte e os sistemas não são atualizados frequentemente, dando aos malwares a possibilidade de explorar as vulnerabilidades não corrigidas.


Volume de pesquisa global para a palavra “antivírus” (dados do Google Trends)

Mas falar sobre a morte do antivírus é precipitado, principalmente pela grande adaptabilidade que estão mostrando e o sucesso dos modelos gratuitos. Nesse sentido, o avast! tem demonstrado uma compreensão profunda do que os usuários querem. Mas o risco de estagnação é evidente, e é por isso que o avast! foi renovado.

Uma nova interface para os novos tempos

A segurança se realiza também com a estética e não há nada mais emocionante para o usuário do ver a sua arma de defesa favorita de cara nova. O avast! é talvez o antivírus que passou pela maior alteração na aparência, com cinco mudanças radicais em cinco anos, sem abrir mão dos tons corporativos cinza e laranja.


A nova interface do avast! é a cara do “Windows 8”

A nova interface é uma homenagem aos quadros do Windows 8, um caminho já tomado por seu concorrente AVG. Suas proporções e aparência, com essas cores e os ícones minimalistas, transcendem o conceito original da janela e se aproximam mais a uma página web. O que não mudou é o gosto do avast! pelas enormes janelas, que são pouco manejáveis nos netbooks e em computadores que utilizam resoluções de tela menores.

Em busca de leveza: menos escudos e megas

Algo que chama a atenção do avast! 2014 é a menor quantidade de escudos. Passamos de oito escudos da versão 8 aos três atuais: escudo de arquivos – que inclui os comportamentais, chat e P2P -, escudo de correios e escudo web – que inclui rede e scripts. É uma organização mais enxuta.


Menos escudos: apenas três em relação aos oito do passado. Eles saíram de moda?

A desenvolvedora deve ter pensado que oito escudos, além de gerar confusão, transmitiam uma sensação de peso. Essa mesma obsessão com a leveza, refletida na interface, se mostra também no tamanho do instalador, reduzido de 120 megabytes para a metade. Há até mesmo um instalador compacto que baixa todos os arquivos do site do avast!.

As estatísticas globais e a retórica do poder

Antes falamos sobre estética e sua relação com a segurança. Outra coisa que deixa feliz um usuário do século XXI são as estatísticas. O avast! 2014 reforçou muito esse aspecto, a ponto de dedicar uma janela separada, onde você pode ver as estatísticas de detecção, os registros e o status do sistema.


A dominação mundial está cada vez mais próxima do avast!…

O que o usuário vai gostar, com certeza, são as estatísticas gerais, um compêndio fabuloso de estatísticas de segurança e de usuários, que lembram as do popular cliente de jogos Steam. Nada poderia dar uma imagem mais poderosa do que os números que aparecem no mapa.

O preço da segurança

A mensagem que o avast! 2014 sutilmente transmite é a seguinte: “neste mundo tão inseguro, você precisa de mais do que um scanner em tempo real, para ficar seguro.” Coerente com a sua ideia, o avast! exibe uma loja integrada para adquirir versões pagas e módulos de segurança para todos os bolsos.


Aumentar a segurança de sua vida digital tem um preço…

O design modular do avast! permite escolher quais atalhos ter na tela. Isso dá aos usuários a liberdade para escolher quais recursos ficam e também a possibilidade de “preencher os vazios” com algumas das ofertas pagas (ou de micropagamento). É uma construção em pedaços, seguindo a moda dos aplicativos móveis.

O que será o avast! em poucos anos?

Ao executar um antivírus atual, a primeira coisa que você nota é que o próprio antivírus fica escondido entre uma infinidade de funções. O que antes eram simples scanners de malware, agora se esforçam para ser conjuntos completos de segurança. Quando você abre o avast! 2014, a primeira impressão é exatamente essa: o scanner é uma pequena lupa.


“Onde está o antivírus?” é a pergunta que nós fizemos ao iniciar o avast! 2014

O scanner é cada vez mais importante porque o malware tradicional é cada vez menos importante. Além disso, o antivírus do futuro não só tem que lidar com as mais variadas ameaças, mas também com a mudança na segurança informática, que é a adição de mecanismos de segurança em sistemas operacionais e hardware. O Windows 8, por exemplo, vem com o Security Essentials (Defender). No caso do avast!, nós acreditamos que haverá uma convergência da versão mobile e desktop, com mais comunicação entre os dispositivos protegidos pelo avast! e uma integração maior com os navegadores. O antivírus vai passar inteiramente para os servidores em nuvem, aonde serão efetuadas grande parte das análises.

O avast! atuará mais como um plugin de segurança e menos como um cliente chato. O impacto do avast! no desempenho será mínimo, já que estará presente onde o usuário perde mais tempo: no browser. O scanner clássico será cada vez mais irrelevante. E sobre as edições pagas? Em nossa opinião, o avast! finalmente adotará o seu modelo “app store” para o usuário construir um antivírus personalizado de componentes de baixo custo. Um pouco como acontece agora com aplicativos de desenho para tablet, no qual você pode comprar os pincéis de acordo com suas necessidades.

Se alguém pode salvar o antivírus é o avast!

Ao testar um produto como o avast! temos que perguntar o que é o antivírus de hoje, quem protege e a quem se dirige, a quem dá segurança ao usar um computador ou quem está disposto a gastar dinheiro com funções adicionais. O avast!, com quase 200 milhões de sistemas protegidos, fechou com versão 2014 uma brilhante história de 25 anos de sucesso. Revolucionou o mercado com o compromisso de um produto gratuito e agora pode fazer o mesmo com sua proposta modular. Resta saber se esta abordagem busca reverter a tendência de queda dos antivírus, ou se é apenas uma maneira de ganhar tempo antes da próxima evolução radical – que temos certeza que poderia vir novamente do avast!.

O que você pensa da versão 2014 do avast!?

[Artigo original em espanhol]

Carregando comentários