Entrevista com Rodrigo Coelho, fundador do Splitplay, a loja de jogos indie brasileira

Fundadores da Splitplay, da esquerda para a direita: Henrique Bejgel, Eric Salama, Rodrigo Coelho

O SplitPlay é uma loja de games para PC totalmente brasileira, focada em desenvolvedores independentes do país. Uma espécie de Steam brasileiro. Lançada há pouco mais de 3 meses, a loja conta com quase quatro mil usuários registrados e 25 games 100% brazucas disponíveis para compra e download e já planeja expandir para o mercado latino-americano.

Rodrigo Coelho, um dos fundadores da SplitPlayRodrigo Coelho é designer em mídias digitais e um dos fundadores do SplitPlay

Resolvemos entrevistar o Rodrigo Coelho para conhecer melhor esta nova loja online de jogos, que tem o potencial de virar a loja de referência no Brasil e na América do Sul. Rodrigo é um designer de mídias digitais de apenas 25 anos que, ao lado do designer Eric Salama, 24,  e do desenvolvedor Henrique Bejgel, 21, fundaram o SplitPlay.

Sobre o SplitPlay

O que motivou vocês a criarem o SplitPlay?

Eu venho de um background de desenvolvimento de jogos, sou game designer e os projetos que participei anteriormente passaram pelos mesmos problemas de distribuição que vemos no Brasil. Quando eu, o Eric e o Henrique decidimos iniciar nosso próprio estúdio de games, levamos isso em consideração e passamos a estudar a indústria mais a fundo. Foi quando passamos a fazer palestras sobre o mercado latino-americano de jogos indies e percebemos que poderíamos nós mesmos criar a solução para melhorar nosso mercado. Foi assim que nasceu o SplitPlay.

Fundadores do SplitPlay, da esquerda para a direita: Henrique Bejgel, Eric Salama, Rodrigo CoelhoFundadores do SplitPlay, da esquerda para a direita: Henrique Bejgel, Eric Salama, Rodrigo Coelho

Vocês justificam a criação do SplitPlay como uma alternativa para enfrentar as barreiras do mercado de jogos indies. Quais são essas dificuldades?

Os desenvolvedores têm muitas dificuldades em tornar seus títulos conhecidos por aqui. Não existe um lugar onde a mídia especializada, bloggers, youtubers e gamers podem encontrar tudo o que é produzido aqui para cobrir a nossa indústria. Então, muitas vezes os games brasileiros acabam não sendo descobertos e não sendo divulgados e jogados aqui no Brasil. Isso é uma grande dificuldade.

Outra é que é muito difícil entrar em lojas gigantes internacionais como o Steam, então os desenvolvedores têm como recurso lojas de auto publicação como App Stores ou Itch.io. O problema é que como outros milhares de criadores também fazem isso todos os dias, seu projeto acaba ficando perdido lá e não ganhando destaque algum.

Em quantos países o SplitPlay está disponível? Há planos de expansão?

Por enquanto, estamos inteiramente focados no Brasil. Mas uma vez que nós tivermos um bom número de jogos e de recursos no site para os usuários, vamos traduzir tudo para espanhol e expandir o SplitPlay para que os jogos brasileiros se tornem conhecidos também nos países vizinhos da América Latina, que respeitam e gostam muito da nossa cultura.

O SplitPlay tem jogos de desenvolvedores estrangeiros? Algum plano neste sentido?

Não, nosso foco é inteiramente em jogos de desenvolvedores brasileiros! Mas, como explicamos, queremos e temos planos de expandir e fazer o mesmo que fazemos pelo mercado e os jogos brasileiros, nos outros países da América Latina.

Quantos títulos o SplitPlay oferece? Quantos deles são exclusivos?

Atualmente são 23 jogos, e estamos negociando para trazer mais 50 até início de 2015. A maioria dos jogos são lançados com exclusividade temporária, como é o caso de Cangaço e Aritana e a Pena da Harpia.

Aritana: um dos jogos de plataforma disponíveis no SplitPlayAritana: um dos jogos de plataforma disponíveis no SplitPlay

Como vocês mantêm o contato com os usuários? Existe alguma proposta de desenvolver um fórum ou outra ferramenta de interação com eles ou entre eles?

Atualmente mantemos contato via e-mail, Twitter (@splitplay), Facebook e pretendemos sim criar um fórum de discussão sobre indie games brasileiros e suporte ao usuário.

Existe a chance de criar um software cliente como o Origin ou Steam para facilitar o processo de atualização?

Com certeza, isso não é apenas chance, está nos nossos planos de desenvolvimento!

Sobre o mercado brasileiro

Vocês afirmam que o SplitPlay é igual ao Steam. Qual a principal diferença entre os dois?

A principal diferença é que somos brasileiros, 100% dos jogos que temos são brasileiros, com um preço menor no SplitPlay do que no Steam, por estarem na plataforma brasileira. E aceitamos todo tipo de pagamento necessário para o público brasileiro, como depósito em conta, boleto bancário e cartões de crédito nacionais.

A intenção é fazer concorrência com o Steam?

Não. A intenção é ajudar o desenvolvedor brasileiro, para então ajudar o mercado a crescer a partir de sua base e então crescer junto com ele. Nós acreditamos que quanto mais sucesso o desenvolvedor brasileiro fizer, melhores games serão produzidos e todo mundo ganha. Inclusive, nós ajudamos os desenvolvedores com a divulgação e damos todo o apoio para que consigam entrar no Steam pelo Greenlight (programa de publicação do Steam para desenvolvedores pequenos).

Não queremos concorrer com ninguém. Existe um mercado enorme que precisa trabalhar junto para ser expandido, e é isso que está acontecendo!

O Steam não cobre esta necessidade?

O Steam não cobre essa necessidade por diversos motivos, sendo um deles a dificuldade da entrada dos jogos. Outro motivo é a grande concorrência de destaques, com centenas de opções de todo o mundo em sua página. Além de não aceitar formas de pagamento locais, não ajudar cada um dos lançamentos a serem amplamente divulgados no Brasil e não destacar de onde são. Muitas vezes recebemos e-mails de jogadores e fãs surpresos que certos jogos que eles adoram serem brasileiros e eles não sabiam!

O SplitPlay é necessário no nosso mercado, para que essas coisas possam ser feitas pelo desenvolvedor brasileiro.

Quais as vantagens de publicar um jogo no SplitPlay e não no Steam Greenlight? O que vocês oferecem de diferente para o desenvolvedor brasileiro escolher vocês?

A primeira questão é que não precisa haver essa escolha. Nós não exigimos exclusividade. O desenvolvedor pode utilizar as vantagens e divulgação da nossa plataforma enquanto também aproveita as coisas boas das outras.

Nós oferecemos divulgação interna no Brasil, o que é muito difícil de conseguir usando meios internacionais. Além de que, com os desenvolvedores apoiando o SplitPlay, nós crescemos e aumentamos também o mercado interno. Assim, a médio e longo prazo, todos ganham um mercado que antes não tinham.

Quanto do valor final é repassado ao desenvolvedor do jogo?

70% do valor da venda vai para os desenvolvedores.

O Steam tem uma série de jogos grátis ou no modelo free-to-play. O SplitPlay pensa em oferecer uma grande quantidade de títulos gratuitos?

Sim. Fazemos promoções temporárias dando jogos grátis constantemente. Pretendemos oferecer uma grande quantidade de games gratuitos de qualidade para os nossos usuários. Vamos escolher a dedo cada um dos títulos que entrarão na seleção para manter um alto nível de qualidade e vamos presentear os usuários que apoiam jogos brasileiros toda vez que eles fizerem uma compra.

Também planejamos implementar em nossa API suporte a microtransações, para que jogos free-to-play / freemium possam também aproveitar e participar do SplitPlay.

Qual a importância do SplitPlay para o mercado brasileiro?

A importância é que agora existe um local onde você pode conhecer o melhor da produção brasileira de games. Agora, os jogadores brasileiros podem encontrar os títulos feitos aqui e os desenvolvedores brasileiros ganham um espaço no mercado nacional que antes não tinham.

Games

Como vocês enxergam o sucesso de jogos casuais como o Candy Crush e Flappy Bird? É isto que vocês esperam no acervo do SplitPlay ou títulos mais elaborados?

Na nossa seleção, procuramos games mais bem acabados, como todos os jogos que oferecemos hoje. Mas nós respeitamos o sucesso e a importância de títulos como Candy Crush e Flappy Bird têm para o mercado. Eles apenas não são o nosso foco.

Qual o seu jogo favorito do SplitPlay? Você joga todos?

Quem joga todos mesmo até o final é nossa equipe de testes. Eu, claro, experimento todos para conhecê-los e particularmente o meu favorito é o Bellatorus Deluxe, um excelente cardgame em 3D com multiplayer online e que me lembra a estratégia de Age of Empires, mas em forma de jogo de cartas. Recomendo experimentarem!

Bellatorus Deluxe é um jogo de estratégia baseado em cartas
Bellatorus Deluxe é um jogo de estratégia em 3D baseado em cartas

Qual o seu jogo favorito de todos os tempos? Por quê?

Uma difícil pergunta e também muito polêmica! Mas creio que teria que dizer: The Legend of Zelda: The Wind Waker.

Wind Waker foi um jogo muito criticado e que surpreendeu com a qualidade de uma aventura épica, emocionante, inteligente e fantástica em todos os sentidos. O visual do jogo foi um marco para a indústria. Eu não diria que é o melhor de todos os tempos, mas posso dizer que é pessoalmente meu favorito pelo impacto que causou na época. Pela forma com que ele simplesmente não envelhece como outros e continua sendo bonito e excelente até hoje e por todos os elementos de gameplay cuidadosamente projetados para trazer uma experiência fantástica para o jogador, demonstrando um mundo aventuroso por meio dos olhos de uma criança.

[Imagens: divulgação]

Leia também

Carregando comentários