Seu futuro smartphone poderá estar cheio de apps como Yo

Existem apps que só fazem uma coisa, muitas vezes nascidos como uma piada, mas que tornaram-se virais e baixados em todo o mundo: por quê?

Incrivelmente simples, minimalistas, e monofuncionais. São aplicativos como o Yo, que se tornou famoso porque permite que você se comunique com seus amigos dizendo apenas… “Yo!” Mas não é o único, porque ultimamente apareceram outros como o La-la, Emojli, Lo…

Nós nos perguntamos a razão para essa proliferação de apps, e sobretudo, nós também perguntamos isso aos próprios desenvolvedores, e obtivemos algumas respostas interessantes. Você poderia encontrar algumas razões válidas para ter um aplicativo de uma única função em seu smartphone.

O que esses aplicativos fazem?

O elemento comum destes aplicativos é uma simplificação das funções que, de certa forma, parece ir contra a evolução da tecnologia… e do bom senso. Você comprou por acaso um smartphone para enviar apenas um Yo para seus amigos? É possível que a comunicação seja reduzida a isso?

Os aplicativos de uma função ou one-task disponíveis nas lojas são muitos e o que eles permitem fazer varia de aplicativo para aplicativo. Eles têm em comum a comunicação entre os usuários, mudando os métodos utilizados.

Yo, por exemplo, permite que você envie uma única mensagem para seus contatos: o “Yo”, (em inglês significa uma espécie de “oi”). La-la, é usado para enviar músicas para um amigo, mas apenas música, sem palavras!

Envie músicas para seus amigos

Interface principal do app La-la

Lo, ao contrário, é um aplicativo para enviar a sua localização: um amigo lhe pergunta onde você está com uma notificação, você responde com a localização, nada mais. Muito semelhante o 1minlate, que serve para rastrear seus movimentos para quem quiser por meia hora, como para dizer: “Já vou, eu estou aqui.”

Com Emojli você comunica através dos emoticons, e até mesmo o seu nome de usuário e de seu parceiro são emoji. O This é uma rede social onde você pode compartilhar um link para o dia, nada mais!

Levemente diferente é o Push for Pizza, um aplicativo que permite pedir uma pizza em casa com um par de toques na tela do telefone.

A estas funções elementares corresponde uma simplificação essencial da interface em todos esses aplicativos. Grandes botões, cores brilhantes e uma referência para as duas dimensões planas lançadas pelo Windows 8, retomada pelo iOS 7 e do novo projeto Material Design de Android.

Necessidades reais, aplicativos reais

Mas como o desenvolvedor resolveu criar um aplicativo como este? Que necessidade há atrás de um app aparentemente inútil? Essas são questões legítimas, que você e nós mesmos nos fizemos.

Surpreendentemente, aplicativos como o Yo e o Lo surgem de necessidades reais. O Or Arbel, o desenvolvedor de Yo, havia recebido um pedido de seu chefe para criar um aplicativo para enviar notificações para a sua secretária. “Depois de ter inicialmente rejeitado o pedido como algo inútil, eu me lembrei que eu tenho um amigo com quem me comunico da mesma forma, ou seja, apenas com mensagens sem sentido, como Yo.”

Interface do Lo-Yo demo

O smartphone da esquerda requer a localização, à direita aparece a notificação do pedido.

No caso de Lo, os quatro desenvolvedores vivem juntos em um apartamento de 2 quartos. “Um dia, falando sobre a nossa forma de trabalhar e comunicar, nós nos perguntamos qual é a mensagem que enviamos mais vezes – diz Evan Bullington. A resposta foi unânime.” Cadê você?'”.

O Jason Hadjioannou nos diz como ele veio com a ideia do La-la: “Um dia eu estava enviando uma mensagem para a minha namorada e pensei que seria muito legal enviar uma canção. Não gosto de bate-papo e muitas vezes não sei o que dizer, mas uma música pode dizer muito mais sem entediar. Então, eu criei o aplicativo e mandei 17 segundos do refrão de “Hello”, de Lionel Richie.”

Outros, como o Emojli, são criados mais como uma brincadeira. Tom Scott e Matt Gray, os dois desenvolvedores do aplicativo, haviam lido sobre o sucesso de Yo e do lançamento de novos emojis. “Tivemos a ideia, mas não tínhamos certeza. Quando pensamos que o nome do usuário seriam os emoticons, explodimos em gargalhadas e percebemos que deveríamos desenvolver essa ideia.”

Por que escolher um aplicativo com uma única função?

A questão fundamental de tudo isso é: por que eu deveria escolher um aplicativo tão simples, em vez de um mais complexo? Se você pensar nisso, pode enviar emoticons, dizer “Yo” ou enviar sua localização ou uma música com um único aplicativo como o WhatsApp, por exemplo. Você realmente precisa ter um aplicativo mono-função?

Por trás desses aplicativos há o lema keep it simple (simplifique). “Por que complicar as coisas quando elas podem ser simples?” pergunta o Arbel. Para o Bullington, a vantagem de utilizar esses aplicativos é sua extrema simplicidade, “você pode fazer o que quiser, sem distrações. Entrar e sair do app.” Gray diz: “este tipo de aplicativo não me impede de usar outros, são adições interessantes para os outros que já uso.”

Mas há mais. Esses aplicativos têm do seu lado a imediatez, responder a uma necessidade real na vida todos os dias. Se eu quero executar uma ação em concreto e há um app que me permite fazer exatamente isso, por que passar por um mais complexo? O Hadjioannou levanta o exemplo de uma rede social: “Nem todos queremos todas as funções de uma rede social. Alguns usuários podem estar interessados ​​apenas em determinados itens. Com os apps mono-função podemos escolher o que realmente queremos de um aplicativo.”

Nas palavras de Bullington “a vantagem para o usuário de usar o Lo está no formato de solicitação-resposta e no fluxo de um toque-e-pronto. É a resposta ao novo fenômeno da tecnologia como um desperdício de tempo. Estamos percebendo que nós gastamos muito tempo atrás de aplicativos cheios de recursos. Com apps como o Lo você pode fazer coisas sem precisar de interfaces complicadas. ”

Além disso, esses aplicativos estimulam a criatividade, colocando você em situações novas, como o Gray ressalta. “Os limites de ter que usar emoji no nosso aplicativo colocam você na frente de um desafio e forçam a ser mais criativo.”

Para que poderiam servir: exemplos de uso real

Se eu me lembro de uma música que ouvia com a minha namorada e eu quero dizer para ela, enviar uma estrofe pode valer mais que muitas palavras. Perguntar ao amigo com quem você marcou onde ele está é muito mais fácil com o Lo, assim como comunicar “Estou pensando em você” com o Yo ou “Eu sou feliz” com o Emojli.

Mas, além de fazer isso, os apps como o Yo têm outros usos alternativos. Além de se comunicar com a família e amigos, você pode “saber coisas que você não poderia saber de outra forma ou pelo qual seria necessario baixar um aplicativo só para ter uma notificação”.

Interface do aplicativo Yo

Interface principal do app Yo

No site do Yo você pode realmente se inscrever em vários feeds que avisam com um Yo toda vez que acontece uma determinada coisa. Por exemplo, o Largeearthquake alerta se houver um terremoto com magnitude superior a 6,0, enquanto o RedalertIsrael permite que você saiba quando é lançado um foguete em Israel. Você pode usar o aplicativo para manter o controle de quanta água você bebe por dia com o Yowater ou para conhecer outras pessoas felizes com o HappyYo.

Na sede de Yo também usam o app para outras razões triviais mais divertidas, como com um distribuidor de bebidas que está no corredor, ao qual é suficiente enviar um Yo para obter uma bebida. Ou há também uma torradeira que você pode enviar um Yo para ligá-la e que irá alertar você com outro Yo quando a torrada estiver pronta.

Durante um concerto, foi possível obter bebidas gratis com o La-la. “Um grupo anunciou no palco que quem enviasse uma mensagem via La-la com os versos Buy me a drink (compre uma bebida para mim), ele ganharia uma bebida”, diz o Hadjioannou.

Apps mono-função ou complexos?

Instalar e desinstalar um app no ​​smarthpone é tão rápido e não nos custa nada, a memória é cada vez maior e a variedade de tarefas realizadas também. Se os aplicativos mono-função respondem às necessidades práticas, podemos esperar um futuro em que esses aplicativos serão a norma?

Os autores desses apps todos concordam sobre o fato de que o keep it simple funciona, e há uma tendência para apps mais simples e imediatos, embora não necessariamente às custas de outros mais complexos.

Uma coisa interessante será ver sua integração com o wearable, onde as telas são reduzidas e a capacidade de executar múltiplas tarefas no mesmo aplicativo, limitadas. “Se eu quero saber onde está o meu irmão, mas sei que ele está em bicicleta, eu sei que não vou receber uma mensagem de texto em resposta. Se só precisa tocar no seu relógio ou dizer um comando de voz, é mais seguro e mais rápido, isso é um verdadeiro valor agregado”, diz o Bullington. O Yo por Google Glass já está disponível e vai chegar em breve em outro wearables. A idéia de Arbel é expandi-lo para todos os dispositivos.

Yo estará em dispositivos vestíveisOs aplicativos mono-função poderiam ser o ideal para os wearables

O conceito fundamental destes aplicativos, e disso depende o seu sucesso nos wearables, é também a imediatez de notificações push. “O Yo mostrou que os aplicativos podem existir no contexto das notificações push. Em Lo, consideramos esse conceito. É fácil prever que as notificações push se tornarão o principal hub destes apps mono-função, simplesmente pelo fato de eles serem tão simples e instantâneos de usar”, diz o Darshan Desai, co-fundador do Lo.

Além disso, em um período em que vivemos preocupados com a nossa privacidade, estes aplicativos têm a vantagem de ser menos invasivos que os aplicativos mais complexos. Além de solicitar menos permissões, de fato, “não têm acesso a tanta informação pessoal”, diz o Hadjioannou.

Simplicidade, minimalismo e futuro incerto

Com o Yo já vimos que podemos operar as coisas no mundo real, graças ao aplicativo. Os desenvolvedores querem “ver essas ideias melhorar o mundo, que é para onde estamos indo.”

Grande parte do sucesso deste tipo de aplicativos vai depender da forma com a qual saberão melhorar a nossa relação com a tecnologia, ampliando os campos de utilização, em alguns casos, e se adaptando a vários dispositivos, em outros.

O Hadjioannou tem a impressão de ser capaz de “digerir e entender as informações de um app mono-função com muito mais facilidade e sem uma curva de aprendizagem.” Simplificação excessiva também significa acessibilidade para todos e imediatez, por que não apostar nisso?

O Bullington prevê a convergência de tecnologias de aplicativos simples com outros mais complexos. Se assim for, ou se no futuro vão continuar a coexistir aplicativos multifuncionais, por um lado, e app one-task, do outro, talvez em dispositivos especiais, não vai demorar muito para poder descobrir.

Entenda a economia colaborativa de Uber, Airbnb e outros

[Artigo original em italiano]

Carregando comentários